Praça Ceu de Campo Bom está entre as melhores do Brasil

O Centro de Artes e Esportes Unificados Sady Arnildo Schmidt (CEU) de Campo Bom está entre os seis melhores do Brasil, segundo avaliação do Ministério da Cultura (MinC). O diagnóstico, que tem como referência o ano de 2017, levou em conta o desempenho de gestão do espaço. A Praça CEU de Campo Bom, localizado no bairro Operária, obteve alta pontuação no diagnóstico de gestão do MinC referente a 2017. Em 2016, a mesma Praça havia sido avaliada com pontuação mediana. O CEU de Campo Bom oferece ambientes e serviços diferenciados para a comunidade, além de levar cultura, lazer e esporte para a Grande Operária.

“É um orgulho para Campo Bom ver o CEU da nossa cidade entre os seis melhores de todas as 357 unidades do país. Muito se deve ao mérito da parceria entre a Secretaria de Educação e a Secretaria de Desenvolvimento Social e Habitação que mantém a gestão deste local onde a comunidade pode praticar atividades físicas, leituras, produções culturais e inúmeros cursos gratuitos como de grafite, dança, teatro, judô, futsal e handebol”, define o prefeito Luciano Orsi.

Segundo Liandro Camargo, gestor do CEU, a implantação do Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) junto ao CEU foi um dos itens que contabilizou muito pontos para a boa qualificação do espaço. "Temos um excelente ambiente de atendimento sócio-educativo e sócio-cultural, principalmente na questão da assistencial social, e isso elevou o conceito do Ceu de Campo Bom na avaliação do MinC, fazendo inclusive com que fossemos objeto de estudo de uma pesquisadora da Unesco", conta Camargo.

 

Objeto de estudo

Nos dias 1, 2 e 3 de outubro, o CEU de Campo Bom recebeu a pesquisadora Hingridy Fassarella Caliari, Consultora da Unesco, que está promovendo um estudo sobre gestão das Praças CEUs, realizado pelo MinC em parceria com a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). O objetivo do estudo é conhecer práticas de gestão das Praças CEU que possam contribuir para a melhoria do programa em todo o Brasil.

Durante a visita, a consultora fez várias entrevistas com o coordenador da Praça, Liandro Camargo, com funcionários, professores, alunos, com os profissionais do Cras CEU e alguns usuários dos serviços ofertados no espaço. Além disso, pediu acesso a documentação do CEU, aos espaços físicos e instalações.

A pesquisa procura definir como se fez para que os serviços ofertados fossem trabalhados de forma interdisciplinar entre as secretarias envolvidas no CEU (SMEC e SEDSH) e como a comunidade percebe o CEU como um espaço de acolhimento social, cultural, de lazer, de esporte e de educação.

 

Espaço diferenciado

Além de oficinas, a população encontra no CEU uma biblioteca com mais de 3.000 livros que podem ser retirados, uma quadra poliesportiva de uso comum ou com marcação de horários específicos para grupos fechados e exclusivos, pista de skate livre, pista de caminhada, pracinha e um cineteatro. Em maio do ano passado o local também passou a contar com um Cras, contemplando cerca de 700 moradores da região com o atendimento para os beneficiários dos programas e ações assistenciais promovidos pela Prefeitura.

Notícia postada em 10/10/2018